Quem crer será salvo!

Crer ou não crer é uma questão de escolha. Em relação a qualquer assunto podemos mostrar confiança ou ceticismo. Quando olhamos para a criação de Deus podemos decidir se vamos crer no autor do universo ou não. Deus não tenta provar a sua existência. As declarações em sua Palavra são definitivas. Em Gênesis 1.14 a Bíblia diz assim: “E disse Deus: Haja luminares na expansão dos céus, para haver separação entre o dia e a noite; e sejam eles para sinais e para tempos determinados e para dias e anos.”  As provas naturais da existência de Deus são muitíssimas: sol, lua, estrelas, chuva, vento, estações, o homem, os animais, etc.

Em Mateus 16.1-3 lemos assim: ”E, chegando-se os fariseus e os saduceus, para o tentarem, pediram-lhe que lhes mostrasse algum sinal do céu. Mas ele, (Jesus) respondendo, disse-lhes: Quando é chegada a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está rubro. E, pela manhã: Hoje haverá tempestade, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas, sabeis discernir a face do céu, e não conheceis os sinais dos tempos?

Cristo deixou claro que temos elementos suficientes no céu e na terra para crermos em Deus. No caso dos fariseus, tratava-se apenas de rebeldia por parte deles em não crer em Jesus como Salvador. Podemos compará-los a um paciente que se recusa a tomar o medicamento o qual o médico prescreveu corretamente. De igual modo, quando Cristo veio ao mundo como Salvador alguns não admitiam a doença do pecado e se recusaram a se converter. Cristo solenemente os advertiu: “Os sãos não necessitam de médico, mas sim os doentes; eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores ao arrependimento.” (Marcos 2.17) Em Provérbios 30.12 também lemos assim: “Há uma geração que é pura aos seus próprios olhos, mas que nunca foi lavada da sua imundícia!”

Deus declara em sua Palavra que todos nós nascemos infectados pelo pecado. Romanos 3.12 é um exame fiel de cada ser humano: “Todos se extraviaram, e juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.” O remédio que Cristo estabeleceu para resolver o nosso problema chama-se arrependimento. Há inúmeras ocorrências sobre este assunto nas Escrituras.

Um exemplo bíblico e da história universal

Muitos historiadores consideram Nínive como uma das cidades mais cruéis da antiguidade. Deus em sua justiça poderia ter destruído Nínive (se Ele quisesse), mas em sua grande compaixão Deus enviou para lá o profeta Jonas e os ninivitas se converteram! Cristo usou exatamente o exemplo dos ninivitas para advertir seus ouvintes, dizendo-lhes: “Os ninivitas ressurgirão no Juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que está aqui quem é mais do que Jonas.” (Mateus 12.41)

Cristo como Salvador

É claro que não podemos comparar Cristo com Jonas, mas Ele disse “mais que Jonas” porque Ele estava como Messias na terra para salvá-los do poder do pecado e de suas conseqüências temporais e eternas. Em Jonas 2.9 lemos assim: “Ao Senhor pertence a salvação!”

Além de ser o autor da salvação Cristo também é o Juiz da humanidade. Desde a sua vinda a este mundo Ele vem atuando como Salvador. Seu próprio nome enfatiza isto. Vejamos Mateus 1.21: “E dará à luz um filho e chamarás o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados.”

Cristo como Juiz

Cristo também é o Juiz de toda a terra. Em João 5.22,17 Ele se expressou assim: “E também o Pai a ninguém julga, mas deu ao Filho todo o juízo; e deu-lhe o poder de exercer o juízo, porque é o Filho do homem.” Mesmo sendo o juiz do mundo Cristo espera que cada um se arrependa.

Em João 12.47,48 Jesus disse assim: “Se alguém ouvir as minhas palavras, e não crer, eu não o julgo; porque eu vim, não para julgar o mundo, mas para salvar o mundo. Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia.” Foi por esta razão também que o apóstolo Paulo também escreveu: “Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” (Atos 17.30,31)

O ceticismo não vale a pena

Em João 3.36 Cristo diz: “Todo aquele que crê no filho tem a vida eterna, mas todo aquele que rejeita o filho não verá a vida, pois sobre ele permanece a ira de Deus.” Estar debaixo da ira de Deus corresponde uma eternidade sem Cristo.

Obviamente todos nós partiremos um dia para a eternidade e lá estaremos salvos ou perdidos, melhor dizendo, no céu ou no inferno. O nosso destino é determinado por nossas escolhas. A nossa decisão para a salvação é então a maior prioridade de nossa existência na terra. Por esta razão Deus tem promessas preciosas para quem “está em Cristo”, ou seja, para quem já recebeu a Cristo como Salvador. Em Romanos 8.1 isto está bem explicado: “Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne, mas segundo o Espírito.”

Permanecer no ceticismo não compensa. Afinal os incrédulos estão entre os primeiros da lista dos perdidos. Assim está escrito: “Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos fornicadores, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte.” (Apocalipse 21.8) Os tímidos neste texto são os covardes, aqueles que se envergonham da Palavra de Deus. Cristo afirmou: “Porquanto, qualquer que, entre esta geração adúltera e pecadora, se envergonhar de mim e das minhas palavras, também o Filho do homem se envergonhará dele, quando vier na glória de seu Pai, com os santos anjos.” (Marcos 8.38)

O melhor que fazemos é crer em Cristo e em sua Palavra, mas não somente isto, mas recebê-lo como Salvador. Em 1 João 1.9 está escrito: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça.” Confessar significa concordar com Deus que somos pecadores carentes de salvação! Você já fez esta importante decisão em sua vida?

O resultado de crermos e obedecermos a Cristo é altamente compensativo. Veja apenas este dois textos:

“Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo.” (2 Pedro 1 : 4)

“Portanto, irmãos, procurai fazer cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais tropeçareis. Porque assim vos será amplamente concedida a entrada no reino eterno de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.” (2 Pedro 1.10,11)

Textos relacionados:
O assunto mais importante do mundo
Onde estaremos na eternidade?
O verdadeiro sentido da páscoa
Estudos para Novos convertidos
O fruto do Espírito Santo

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *